Entre os meses de julho de 2020 e julho deste ano, a cidade de Cotia evitou que 122kg de lixo tóxico contaminasse o meio ambiente.

O número pode parecer modesto, em um primeiro momento, mas é o resultado da coleta de 307.250 bitucas de cigarro que foram depositadas por fumantes nos coletores do projeto de coleta e reciclagem desse material.

Essa quantidade de bitucas seria suficiente para contaminar 153.625 litros de água com substâncias tóxicas e nocivas à saúde humana e dos animais.

O projeto foi implantado na cidade pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, graças a uma parceria com a empresa Poiato Recicla, apoio e intermediação do Transition Granja Viana e do Site da Granja. São 30 coletores espalhados por Cotia e o material coletado é processado e transformado em celulósica (papel reciclado).

“Toda ação, por mais modesta que seja, em favor da preservação do meio ambiente, da saúde da fauna e da flora, é positiva. Este projeto é resultado da preocupação de pessoas e empresas, além de uma gestão pública, preocupadas com o meio ambiente”, disse Gustavo Gemente, titular do Verde e do Meio Ambiente.

O secretário destacou o impacto positivo no meio ambiente que é alcançado com o projeto, mas ele afirmou que os reflexos na conscientização dos moradores também é uma grande conquista que se alcança com esta iniciativa.

O projeto de reciclagem de bitucas foi criado há seis anos, pelo empresário Marcos Poiato, e a estação de reciclagem, localizada na cidade de Votorantim, já reciclou mais de 30 milhões de bitucas. Com tecnologia desenvolvida pela Universidade de Brasília (UnB), as bitucas são trituradas, submetidas à depuração dos componentes tóxicos e transformadas em massa celulósica (papel reciclado).

 

Com informações da Prefeitura de Cotia 

Foto: Alexandre Rezende